Ansanm pou lapé

Ainda em 2004, quando servia como oficial do Exército Brasileiro, em São Leopoldo/RS, acompanhei os preparativos de partida do primeiro contingente brasileiro para a MINUSTAH.  Embora eu não fizesse parte do grupo que estava sendo mobilizado, tive a impressão de que em algum momento acabaria contribuindo com o esforço brasileiro para estabilizar e desenvolver o Haiti,  país mais pobre das Américas, cujo processo de independência – antes mesmo do brasileiro – tem inspirado tantas pessoas ao longo dos últimos dois séculos.

 

Quatro anos mais tarde, em 2008, substituí a farda camuflada pelo terno – a defesa pela diplomacia- e, tão logo concluído o curso de formação no Instituto Rio Branco, em fins de 2009, decidi me voluntariar para servir na Embaixada brasileira em Porto Príncipe, sem imaginar, naturalmente, a catástrofe que viria a seguir, em 12 janeiro de 2010.  Os  trinta e cinco segundos de revolta da natureza foram devastadores, deixando mais de 230 mil mortos e um país a ser reconstruído.  Cheguei na ilha cinco meses depois, ainda bastante inseguro, porém motivado e de certa forma destemido.

 

Logo pude perceber o enorme potencial humano na antiga “Pérola do Caribe”.  Encontrei um povo resiliente e alegre, embora sofrido com tantas tragédias, e de certa forma resignado com as inúmeras adversidades do dia-a-dia.  Encantei-me rapidamente com o ritmo musical kompas, que não deixa haitiano sentado; com a beleza da art naïf e sans soleil; com a culinária crèole – e seu tempero inigualável (baianos que me perdoem), sem olvidar as praias de água azul-turqueza (ah, Jacmel, Côte des Arcadins!), com enorme potencial turístico, que tantos momentos aprazíveis me proporcionaram.

 

Os três anos vividos no país (2010-2013) me permitiram acompanhar muitos dos esforços internos e externos para aliviar a dor pós-tragédia. Os haitianos fizeram  empenho notável para superar o trauma da perda de familiares e amigos, sem que o processo os privasse da esperança e  da força necessários para reconstruir e recomeçar. O protagonismo brasileiro neste momento de tantos desafios foi inegável.  Lá construímos quatro hospitais de referência, mantivemos sólida assistência humanitária e cooperação técnica, desenvolvidos em ambiente seguro e estável graças à MINUSTAH, em patrulha 24 horas por dia nos dez departamentos do país. Para o jovem diplomata em início de carreira, a atuação brasileira de fato revelava-se “ativa, altiva e solidária”.  Tive, ainda, o prazer de conviver com bravos e comprometidos representantes da sociedade civil brasileira, a exemplo das ongs Viva Rio, Via Campesina, ActionAid, World Vision e diversos grupos religiosos.

 

Não posso negar ter havido momentos de frustração.  Ainda é reduzida a participação dos haitianos nos processos eleitorais (25%); é inaceitável a “cultura” dos “restavec”, mais de 200 mil crianças mantidas em regime de semi-escravidão no país; é intrigante a eficácia questionável de boa parte da ajuda externa, muitas vezes descoordenada e desalinhada das prioridades do governo local; é incompreensível a falta de recursos para combater a epidemia de cólera, que já ceifou mais de nove mil vidas.  Aprendi, neste período, quão alto é o custo de manutenção de organizações filantrópicas estrangeiras, que chegam a consumir a maior parte (2/3!) da ajuda recebida pelo país.

 

O saldo da experiência, no entanto, é extremamente positivo, sem dúvidas.  A bandeira brasileira é mais do que respeitada, é venerada pelos haitianos, devotos da seleção brasileira de futebol. O “Brazilian way of peacekeeping” é igualmente admirado e estudado por vários países, e até mesmo pela ONU, que comumente se refere a nossas tropas como “de elite”.  O terreno me mostrou, inter alia, a importância da cooperação sul-sul; do diálogo civil-militar; do papel conciliador das mulheres nas comunidades; dos projetos de impacto rápido e de redução de violência comunitária, cruciais para a consolidação da paz.

 

Como muitos que me antecederam, e me sucederam, deixei o Haiti marcado indelevelmente pela intensa jornada.  Que o recente fluxo migratório haitiano para o Brasil sirva para selar ainda mais nossos vínculos históricos de amizade e respeito mútuo.

Anúncios

Sobre guimaraesdaniel

Brazilian diplomat
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado . Guardar link permanente.

9 respostas para Ansanm pou lapé

  1. Vinicius disse:

    Excelente postagem. Obrigado por contribuir e movimentar o blog, pois o mesmo continua sendo uma grande referência não só aos aspirantes à carreira diplomática, como também a todos os internacionalistas de coração. Abraços.

    • guimaraesdaniel disse:

      Obrigado, Vinicius. Abraços!

      • Bárbara Lima Bastos disse:

        Muito boa a postagem, eu gostaria muito que o blog fosse alimentado constantemente. As histórias inspiram demais a todos, nós, aspirantes à carreira diplomática.

  2. Angelica disse:

    gostei muito do seu estilo Daniel, obrigada por por este artigo. de coração. Angelica

  3. Aline Santanna disse:

    Caro Daniel, meu comentário não possui nenhuma relação com o artigo que escrevestes, que diga-se de passagem, achei ótimo. Tenho interesse na carreira diplomática, porém há alguns anos atrás fui diagnosticada com transtorno bipolar e faço tratamento. Gostaria de saber, já que estás dentro do Itamaraty, se isso seria um possível motivo para a reprovação. Tenho medo de passar anos a fio estudando para essa prova e reprovar na avaliação psicológica pelo simples fato de ser bipolar. Pois caso seja, mudarei meus projetos e estudarei para outras provas para não correr esse risco. Gostaria de saber a tua opinião.

    Grata, Aline Santanna

    • guimaraesdaniel disse:

      Aline,
      primeiramente agradeço a gentil mensagem sobre o texto. Quanto ao seu questionamento, infelizmente não estou habilitado a respondê-lo, por tratar-se de questão técnica, de ordem médica. Posso informá-la, porém, que há uma entrevista com psicólogo durante a etapa final do concurso, momento em que seria avaliada sua capacidade psicológica/emocional de desempenhar as atividades diplomáticas. Ousaria, como leigo, a dizer que a sua aprovação dependeria de o nível de bipolaridade não gerar interferência negativa em sua rotina de trabalho.
      abraços,
      Daniel

  4. Joana disse:

    Olá Daniel! Eis que me encontro cheia de dúvidas e encontro seu texto! Sou militar, pensando em ingressar na carreira diplomática. Gostaria de saber mais relatos seus…. na tentativa de ter mais informações pra me direcionar melhor!

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s