Etiópia: Quando amanhece, é melhor começar a correr…

Caros, devo admitir que nunca gostei de blogs. Sempre achei que fosse uma forma de querer aparecer; propaganda própria com intuito único de autopromoção. E, quem diria, cá estou eu. Não é que foi preciso viajar cerca de 10.000 km para entender que relatar é, também, informar? Informar a uma série de pessoas que têm interesse em saber como é viver em um país que pouco se conhece e cuja primeira imagem não é das mais agradáveis.

Fiquei semanas refletindo o quê deveria escrever como primeira contribuição. Preferi optar pela opção mais fácil e falar de algo que gosto: atletismo.

À primeira vista, muitos devem imaginar que a Etiópia é o lugar ideal para os amantes de corrida. Eu mesmo achava que, assim que chegasse, já iria praticar esse esporte que tanto gosto. Devo admitir que correr na Etiópia não é tão fácil quanto parece. Inexistem parques para a prática esportiva e a burocracia para poder trenar no estádio olímpico é imensa (espero que semana que vem já possa começar lá). Devo dizer que os corredores profissionais são, acima de tudo, verdadeiros guerreiros. Acordar às 4:30h da manhã para treinar na Meskal Square ou no Entoto (3.000 m de altitude e quase 10° C) é para poucos.

Cansado de esperar minha oportunidade de correr no estádio olímpico, decidi correr 4 vezes por semana antes do trabalho pelas ruas de Adis Abeba. E, devo dizer, que tem sido uma das experiências mais incríveis que tive.

Em primeiro lugar, aprendi a respeitar a altitude, de cerca de 2.500 m. Depois de 1 km, a falta de ar faz com que você queira parar, parecendo que você está totalmente fora de forma. Em segundo lugar, descobri que correr pela cidade me faz entender melhor este que é um dos países mais pobres do mundo.

Definitivamente, a corrida faz parte da cultura local. Não importa se você é rico ou pobre, correr é visto com grande admiração. Cansei de escutar palavras de apoio de transeuntes, mendigos e crianças durante minhas incursões por Adis. É impressionante o grau de penetração da corrida na sociedade local. “Faranji” (estrangeiro) e “hurry, go, go” são as palavras que mais escuto, gentilmente respondidas com Eshee (ok) ou Amesseguenaleu (obrigado), afinal, preciso utilizar minhas aulas de amárico para alguma coisa.

Uma experiência, definitivamente, me marcou. Estava eu correndo, quando tive de parar em um semáforo. Um senhor vira para mim e me pergunta se iria continuar seguindo reto. Respondo que sim. Ele, então, decide acompanhar-me. Eu, de tênis Asics, shorts de corrida e camiseta dry fit. Ele, de bota, calça cargo e camiseta, segurando um casaco. E não é que passei sufoco para conseguir acompanhá-lo?

Depois de tudo isso, entendi melhor o provérbio africano: “Todos os dias de manhã, na África, o antílope desperta… Ele sabe que terá de correr mais rápido que o mais rápido dos leões, para não ser morto. Todos os dias, pela manhã, desperta o leão… Ele sabe que terá de correr mais rápido que o antílope mais lento, para não morrer de fome. Não interessa que bicho você é, se leão ou antílope. Quando amanhece, é melhor começar a correr…”

Acho que estou seguindo a risca tal provérbio……

Anúncios

Sobre Marcelo A. Borges

Paulistano, franciscano, corredor e diplomata. Na Etiópia.
Esse post foi publicado em Uncategorized e marcado , . Guardar link permanente.

18 respostas para Etiópia: Quando amanhece, é melhor começar a correr…

  1. Helder disse:

    Nice to hear from u! Vai voltar com gabarito para ganhar Sao Silvestre, hein!
    Abraço!

  2. Maurício Chavenco disse:

    Adorei o artigo, Borges! Por coincidência, conheci, há poucas semanas, um africano cujo cartão trazia na parte de trás justamente o provérbio que você cita.

  3. Amesseguenaleu, Borges! Muito boa a história. No resto do Chifre da África também existe essa mania/tradição de corrida, ou é algo etíope mesmo? Abraço!

  4. Que bacana Borges!
    Muito boa a ideia do blog.
    Estaremos acompanhando suas “aventuras”!
    Abraços do Brasil.

  5. Flavio Lugao disse:

    Muito boa a historia, borges! Vou acompanhar suas aventuras por aqui!

  6. johny yoo disse:

    Meu caro brother,

    meus parabens pelo sucesso que vc esta fazendo, pela sua carreira que vc lutou tanto pra conseguir,
    fico muito feliz em saber que vc esta bem, e que vc esta feliz tbm, muito sucesso, muito trabalho, e muito bom em te ver nesse blog relatando sua experiencia no seu dia-a-dia, fico realmente muito feliz em ter um amigo diplomata, e ver o tanto que vc lutou pra conseguir esse seu sucesso!!

    ps: irei sempre acompanhar esse blog
    ps2: tá virando famoso e metido hein? video no youtube??
    ps3: a paty que se cuide hein? hauahuauhuhauaa
    ps4: muito sucesso, muito trabalho e nao se esquece de mim, qdo vc virar famoso e metido, hein? 🙂

    abs man

  7. Aline Custódio disse:

    Muito bom o teu texto! Como também sou uma apaixonada por correr, fiquei com vontade de conhecer a Etiópia (e correndo). Parabéns!

  8. José disse:

    Gostei muito do Blog, Marcelo você é franciscano ordenado? Você é um frade? Existe, no Itamaraty, algum preconceito por quem pratica e adere ao Catolicismo? Como está sendo, para você, a vivência do Cristianismo na Etiópia?

    • Caro José, grato pelos comentários! Só um esclarecimento: sou franciscano, porque estudei na Faculdade de Direito do Largo São Francisco da USP.
      E conhecer o cristianismo ortodoxo da Etiópia tem sido uma experiência única.
      Abraços

      • Paulo Ramalho disse:

        Muito interessante seu texto, parabéns pela forma franciscana do mesmo. Gostei.

        Paulo Ramalho
        De família, de há muito, franciscana. Desde os tempos do Conselheiro e Barão.

  9. Rafael Migliacci disse:

    Borges.. que bacana. Pega leve nas corridas aí heim… além da altitude e temperatura, tem outro motivo…
    Abração

  10. Marcelo, adorei seu relato. Muito boa idéia escrever sobre seu dia na Etiópia. Nem sabia que a capital da Etiópia fica em local de grande altitude. Gostei muito.

  11. Gustavo disse:

    Grande, Marcelo! Continue escrevendo. Obrigado pelo relato e um grande abraço! Fávero.

  12. Marcelo Dias disse:

    Parabéns irmão! essa entre outras experiências que li neste blog ! foram de grande entusiasmo para entender a carreira de um diplomata! valeuuu!!!

  13. Luciana Fujiki disse:

    Borges!

    Adorei o texto!!

    Agora, mais do que nunca to super curiosa pra conhecer este seu novo lar.

    Bjs!

  14. Romero Costa disse:

    Demais!
    E este relato acerca do senhor que o abordara para correr fez-me lembrar de alguns ensinamentos do bushido: valorizar as pessoas como se fosse a última vez estaria vendo.
    Uma experiência como esta certamente ficará marcada para sempre.
    Parabéns pelos relatos. E apesar da aversão a blog, demorou a escrever mas acabou começando com escrita de quem já tem a percepção das coisas na veia.

  15. matvil disse:

    Muito bom o texto, mesmo. Flui leve. Legal também a sua disposição para aprender e experimentar.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s